Paginas

terça-feira, 29 de maio de 2012

A tela do meu coração!


      Sinto-me uma pintora e faço parte da Arte chamada Amor, porém acho que meus olhos viraram pincéis e pintaram na tela do meu coração, cada momento contigo o teu olhar o teu sorriso; A tela estava linda, quase que virando um quadro, já estava até procurando qual moldura para enfeita-la, havia sete molduras, mas só uma me chamava a atenção aquela que nela estava escrito o teu nome em itálico, á peguei e guardei em algum lugar para depois usá-la, mas enquanto pintava a tela percebi que chegava algumas pessoas  para me observar a pintar, criticas vieram me aborrecendo e me faltava palavras para responder as ironias que tanto me feria.
           E eu ali, dava vida a pintura, pois o meu mundo era pintar, porque eu pintava você, eu conversava com o personagem da tela, e enquanto lhe olhava  lagrimas escorriam em meu olhar, e cada pessoa que dizia que não conseguiria dar um acabamento perfeito, minha mão ia desfalecendo e por um descuido meu, em um piscar de olhos  topei nos potes de tinta, borrei com o pincel o que eu criava e escorrendo a aquarela ocultando o que havia caracterizado, e em desesperança deparei-me que o meu amor e esforço foi em vão.
           As pessoas se foram depois dos apontamentos de dedos,  guardei a tela em um baú, a qual lhe dou o nome de memória, sinto saudades de pintar o romance retratado, sinto falta de delinear as tuas cativantes expressões.
           Talvez algum dia eu volte a maquia-lo o painel, mas no momento sinto-me impossibilitada de voltar a produzir o mesmo efeito, entretanto procuro algo para me inspirar, e não acho, por que em mundo real, a inspiração eu encontrava em você.





Lisandra P.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

É preciso sorrir!

      Sei que as vezes nada está indo bem que por mais que o coração quer chorar, é preciso sorrir.
Tem dias que se sentimos como um passarinho na gaiola, ele canta e todos pensam que ele está feliz, mas como vamos saber o que está atrás daquele canto tão lindo será felicidade ou tristeza? Mas ele canta sabe por quê? Porque cantar é o único meio dele expressar o que sente, ele canta e canta bonito! As penas dele está caindo  e perdendo a cor, mas ele canta porque talvez seja o único meio de trazer consolo e paz...
           As árvores passam por momentos muitos difíceis no inverno ela perde a beleza das folhas e fica com galhos secos não são consideradas belas nesses tempos, e nem tem flores para ser enfeitada e exalar seu aroma trazendo um clima de amor e romance e os ventos de Agosto balança ela para um lado e para o outro, as vezes até quebrando alguns galhos...
As formigas elas veem nós humanos como monstros gigantes, mas nem por isso deixa de andar pra lá e pra cá pegando as folhinhas enfrentando o perigo de chegar o seu fim.
           As vezes temos que nos comparar a natureza e suas metamorfoses da vida, quando estamos aprisionados tristes, não deixe de sorrir embora a vontade seja grande de se desmanchar em lagrimas, talvez sorrindo você conseguirá ter um pouco mais de consolo e paz como um pássaro a cantar, e vindo os problemas fazendo com que pareça até que não somos tão belos mas não devemos esquecer que depois do inverno é primavera em flores e nessa caminhada que prossigamos as dificuldades e as angústias parecem serem gigantes, e que vamos ser pisados e massacrados por elas, mas sejamos como a formiga e o seu exemplo de vida.
          Lutamos, enfrentamos os dias difíceis, buscamos meios para alcançar nossos sonhos embora às vezes pareça impossível, cremos e acreditamos em Deus todo poderoso, pois já que nascemos tenhamos forças para crescer, anime-se, não vamos parar no meio da estrada talvez não encontre alguém que nos leve a nosso desejado ponto de chegada, vamos  virar cometas pelo espaço dessa vida convenha-nos brilhar como as estrelas de um anoitecer, vamos amanhecer aquecido como o sol prontos para iluminar mais um dia, arranque o lenço do bolso enxugue as lagrimas, vistas as armaduras, corra para a guerra e grite bem alto: Eu vou vencer! E sorria para a vida que ela irá sorrir para você! 
         Essas palavras saem exprimidas, não sei ao certo de onde elas vem, talvez seja de algum lugar chamado Fé... É o que me resta, Fé em Deus que o tempo será responsável de descobrir os grandes enigmas dessa vida.


Lisandra P.




sábado, 19 de maio de 2012

Amor Angelical


     Anjo sem asas, anjo humano, em meio de tantos momentos em meio de tantos meses em meio de tantos  meios você veio, olhei como se você fosse iguais os outros humanos, tive um olhar como se fosse mais um desconhecido, apenas mais uma pessoa de tantas que avia visto antes e que queria conversar comigo, passando em minha vida deixando nenhum significado, relembrando só no tempo atual, mas depois esquecido....

      Mas foi diferente, um anjo que não veio com feixes de luz, voando numa noite de céu estrelado, batendo asas e que todo mundo notaria a sua presença radiante, não estou retratando um conto de fadas de um amor entre anjo e humano, mas sim a realidade de um começo de uma história  que estava preste acontecer, diferente de todos os outros anjos acabei por não notar sua presença, não querendo me envolver, mas tudo foi tão rápido com esses modos angelicais me convencendo que aos poucos por me deparar, percebi que algo novo estava brotando dentro de mim, apenas um gostar que depois virou-se por amar, o começo de um amor tão lindo, a construção de sonhos de um futuro, as diferenças e principalmente o quanto tinha coisas iguais um do outro, pensamentos iguais e gostos iguais foi como "um enviado de Deus" fazendo-me á acreditar em algo que não devia ter parado de acreditar e me dando forças para isso.

       Anjo te  contei os meus medos e além do mais ouviste a minha voz de choro e tristonha, mas depois do choro me fez sorrir como se não houvesse chorado fazendo com que eu tivesse paz, tiveste palavras tão singelas vindas de Deus foste anjo, foste amigo, foste minha alegria de poucos dias,  foste minha posse de amor por tão pouco tempo...agora tu és apenas rastros de esperanças e saudades.


Lisandra P.